quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Diálogo ao pô-do-sol

imagem:google

Remetente:

Saudades de ver o pôr-do-sol ao lado de alguém que me queira bem
Saudades do sorriso que agora me traz uma lembrança boa e essencialmente viva
Saudades de você que nem conheço mas divido tantas alegrias e segredos;
Este que estava preso ao tempo, nas linhas da vida que idealizei.

Saudades não seria a palavra que interpretaria o que sinto, pois ela pode chegar ou não!
Diria que a vontade de olhar vários pôres do sol, me da a certeza de que amanhã ele pode me trazer vc, que aos meus olhos é um punhado de alegria e um pouco da saudade!

Seria tolo em dizer-te que não te quero

Até porque as palavras agora se perdem nesse desejo recíproco.

União pra mim agora é essencial, e me unir a você, seria viver em um.

Durante toda a minha vida procurei...

Ante de me redimir e de condenar meus pensamentos diáfanos

Depois de ter perdido as forças em busca do meu ser

Estou diante do improvável, daquele que aos meus olhos é o melhor...

Somente o tempo pode dizer.



Destinatário:

Tens então minha "improvável" alma
Engendrada nas palavras que te digo
Mais vale o amor que posso dar que
Perder o sol na tua iris vaga-lume
Ou perder-me solitário no fogo que consome.