quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Metamorfose do Tempo

imagem:google
A metamorfose do tempo me trouxe você,

No instante que sinto o vento soprar, me compadeço dessa vontade louca de sair por aí sem destino...

Esse que tantas vezes joguei na sorte qualquer de encontrar algo que complementasse o frio lá fora...

A certeza e incerteza, que quis pra mim coberto por nuvens desconhecidas que sopra cada vez mais para o norte...

Tão forte, que as folhas caem como no Outono....

Mas aqui é inverno, aqui sempre será inverno, até quando você chegar...

E o sol brilhará como numa bela tarde de verão.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

AS CAUSAS DO ENTOCOM

foto: FENAJ
No dia 08 de Novembro aconteceu o I Encontro Tocantinense dos Estudantes de Comunicação Social (ENTOCOM) no clube da Caixa em Gurupi-TO. Os acadêmicos de comunicação da UFT,UNIRG E CEULP/ULBRA se reuniram para discutir os efeitos, causas e problemas que norteam o Jornalismo e a Publicidade no estado.
Com o tema: Democratização da Comunicação - Uma realidade ou Mito? As palestras proferidas por professores mestres e especialistas da aréa, foram pautados na transformações do jornalismo e a nova mídia - internet? - Falou-se também de ética e empreendedorismo na aréa e discutiu um assunto evidenciado nos tempos de hoje, a era Digital.
No entanto um momento importante do encontro, e talvez o ápce, foi quando os acadêmicos fizeram uma mesa redonda pra discutir a questão da queda no diploma do Jornalista que está em discursão no STF (Supremo Tribunal Federal) O C.A (Centro Acadêmico) do curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Tocantins, junto com seus representantes, leram em voz alta uma carta de repúdio que foi mandado para Brasília em defesa da obrigatoriedade do diploma. (leia completo no link)
Esse momento só foi possível com a interação entre os alunos de Comunicação que despiram de suas IE (Instituição de Ensino Superior ) e vestiram a única causa, o Jornalismo. Naquele momento não interessava se alguém fazia federal ou particular, se o meu curso tem infra-estrutura ou não, o diálogo foi roubado por pessoas que acreditam no jornalismo de verdade, que está ali porque gosta, não pra se caracterizar de uma auréa pseudo-intelectual do comunicólogo. Desde todo o momento na história os estudantes participaram de revoluções, porque vamos silenciar justamente agora??? E isso não afeta apenas nós estudantes de comunicação, afeta toda uma sociedade que é inter-dependente da informação. Que democratização é esta? Já que somos tão rebaixados pela sociedade, já que somos desvalorizado pelo PIS... Alguém vai dizer que a prática é que faz o jornalismo... Sim, é por isso que o jornalismo é o que é, porque existem pessoas técnicas que vai pautar o que foi mandado e não sabem porque!E eles vão dizer que estão engajadas nessa reforma, nessa mudança... Hipocrisia! A própria mídia não dá voz a esta causa que é também dela, mas ela precisa se silenciar pra não inferir valores de uma classe dominante que dita o que ela vai falar.
E aqueles que se dizem estudantes de Comunicação e acredita nessa causa, vista a camisa, saia nas ruas, faz alguma coisa, escreva no seu blog algo do gênero, proteste, não é possível que vamos perder mérito por conta de uma hierarquia vestida de democracia, pseudos, pseudos-jornalistas.... Se você não idealizar o jornalismo como eu, e não acreditar nele e nas suas mudanças, desconsidere todas minhas palavras aqui ditas e saia do curso e vai fazer outra coisa.

Agradecimento: C.A da UFT, UNIRG e professores da UNIRG e todos aqueles que como eu acredita no Jornalismo.

domingo, 2 de novembro de 2008

moderninhos do bairro??!


Em uma discussão calorosa com amigos, alguém questionou o comportamento do jovem na atualidade. Dizia ele que o jovem de hoje está a mercê da promiscuidade e da idéia da pseudoliberdade. Aproveitou a deixa ainda e fez um parâmetro da sua geração - coca-cola - com as que estão por vim...
Recentemente um dos temas dos diálogos culturais, foi exatamente este, o jovem na presentatividade, e esse só vieram reforçar as minhas idéias sobre...

Não, o jovem não está perdido e muito menos promíscuo, ele apenas está vivendo em uma nova era, onde os conceitos mudaram, deixando os valores anacrônicos e tomando pra si valores reformulados de acordo com o que está vivenciando hoje. Esse jovem, seja ele homem ou mulher, encara a vida com mais leveza, não se privando da "liberdade" que é permitida.
Em uma sociedade onde valores eram totalmente totalitários e machistas, antigamente a sexualidade do jovem do sexo masculino era questionada quando ele dançava axé, rebolava, se despia, enfim. Hoje não, ele faz tudo isso com a maior tranqüilidade. Alguns conservadores e dogmáticos vão colocar culpa na mídia que mostra isso com freqüência nas novelas, nos comerciais, nos programas de televisão, enfim. Porém não sou defensor da mídia e muito menos a odeio, apenas acredito que ela reforça esses novos valores, porque isso já é um fenômeno que vem acontecendo. O jovem de agora ele usa tatuagens, coloca piercing, é antenado na moda, beija 10 em micaretas, baladas e etc. E no outro dia ele não se sente menosprezado por isso, pelo contrário ele está pronto para outra... Esse jovem que tento expor aqui é um ser que acontece, e eles não estão perdidos, pelo contrário, mesmo que são retalhados por alguns como geração insana, eles mantêm ativos.

Sabemos que os dogmas da igreja vão contra os valores desse jovem, e a sociedade já começou a enxergar isso, mas mesmo assim eles não deixam que isso influa em nada. Freqüentam a igreja, mas não é por isso que eles segue a linha os dogmas da religião.
Uns e outros até falam mal dessa nova geração - sem juízo de valores é claro - mas eu a contemplo pela maneira que eles atuam perante a sociedade, são seres cosmopolitas, diáfanos que vivem em tribos e são politizados e são grandes consumistas. Tem liberdade de escolher o que quer pra si, gozam da vida como nenhuma outra geração.. Se formos fazer um parâmetro da geração Coca-Cola eu diria que essa geração é Nova Schin - experimenta! –

Os jovens nos tempos de agora...
Uma galera de cabeças leves e fluídas, corpos estilizados, sexualidades múltiplas e andrógenas bombando na sala de bate-papo, messenger, orkut, blog que não sentem dificuldades em seus relacionamentos de bolso" (Rocha, 2006) e suas demais formas de manejo, que cada vez mais se comunicam e interagem através do corpo independente do gênero.

Video mostrado durante a palestra do Professor Damião Rocha nos díalogos culturais.