sexta-feira, 27 de agosto de 2010

A política e o seu Espiral do Silêncio


Por Vinicius Paulino
(Colaboração para o estadoweb)

As eleições estão a todo vapor e agora começa a movimentar ainda mais com as pesquisas de opinião, que indicam a intenção de voto dos cidadãos, divulgadas principalmente pela mídia. Com essa discussão surge a polêmica: elas devem ser divulgadas ou proibidas? Qual seria o grau de influência dessas sondagens na decisão do eleitor? Foi querendo responder essas e outras perguntas que nasceu a hipótese e porque não, teoria do espiral do silêncio.

Imaginem um espiral em rotação, foi observando a influência da mídia sobre a opinião pública que a alemã Elisabeth Noelle-Neuman iniciou esses estudos. Junto com ela outra hipótese já existente, a da agenda setting (teoria do agendamento), segundo a qual os meios de comunicação teriam o poder de pautar os assuntos à sociedade, agindo de forma que pensasse por ela. Com o avanço desses estudos começaram a perceber que as pessoas tendem a expressar menos opinião quando elas imaginam que pode estar em minoria. Talvez por isso que o IBOPE pode influenciar o eleitor, pois segundo a teoria, as pessoas tendem aceitar a opinião da maioria para evitar o isolamento do indivíduo, o que pode acontecer caso declare uma opinião contrária.

Entenda como gira o espiral do silêncio na campanha eleitoral

Os meios de comunicação divulgam as pesquisas de intenção de voto, mostrando determinado candidato favorável e o outro não. Aqueles que ainda não escolheram o seu candidato acabam seguindo a maioria. Os demais ao perceberem ou imaginarem que a maior parte das pessoas pensa diferentemente delas, acaba, num primeiro momento, por se calarem e, posteriormente, a adaptarem suas opiniões às do que elas imaginam pertencer à massa. Em conseqüência disso, aquela opinião que, talvez de início, não fosse efetivamente à maioria, acaba por tornar-se, na medida em que se expressa num crescente movimento. Se a espiral do silêncio estiver confirmada, a pesquisa eleitoral influencia diretamente o eleitor.

Apesar de apresentar resultados que comprove o poder da mídia na opinião pública, a teoria do espiral do silêncio é controversa e polêmica, e divide opiniões, pois não se sabe se ela funciona em qualquer grupo, seja ele pequeno ou grande. Mesmo assim a sociedade não deve confiar em pesquisas eleitorais, pois certamente estão à mercê da manipulação do que a informação propriamente dita. Além de que ela nos tira o direito de escolher fielmente os nossos representantes e participar ativamente do processo da democracia.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

A censura vestida de democracia

imagem: google

As eleições estão chegando (3 de Outubro) e você já escolheu o seu candidato(a)? As propagandas eleitorais gratuitas nos veículos de comunicação (rádio e televisão) começaram dia 17 (terça-feira), já que não pode haver propaganda política em outdoors para evitar a poluição visual,o que nos resta são conferir as peças publicitárias em audiovisual. Mas ainda há carros de som pelas ruas... Ufa! a ditadura não voltou... Com tanta censura achei que estava sem liberdade de expressão, falando nisso...

Está proibido! O Departamento de Imprensa e Propaganda da Ditadura Militar (DIP) voltou? Como pode existir um acordo entre o Senado e a Câmara para manter a censura em sites de notícias na internet durante a campanha eleitoral de 2010? Como pode proibir os humoristas de fazerem piadas sobre os candidatos durante o período eleitoral? Como pode proibir outdoor e permitir carro de som? (o certo é não proibir) Ainda bem que essa ‘censura’ não atingiu os blogs assinados por pessoas físicas (eu) e redes sociais (como orkut, facebook e twitter). Nós precisamos de informação! Conhecer quem são os nossos futuros representantes e os seus planos de governos. Pai, afasta de mim esse cálice!!! Não pode haver nenhum tipo de censura na imprensa... Viva a liberdade de expressão!

Por isso eu digo, estamos vivendo a era da informação ‘mediada’, e não da liberdade de expressão como rege a democracia. Pois que eu saiba os governos verdadeiramente democráticos não controlam o conteúdo da maior parte dos discursos escritos ou verbais. E o que vejo nessas eleições são ‘restrições’... Isso pode isso não pode! Esse tipo de pensamento nos tira o direito de manifestar livremente opiniões, idéias e pensamentos.


Pai, afasta de mim esse cálice outra vez.




sexta-feira, 20 de agosto de 2010

O novo tesouro para o Tocantins

imagem: google

Dia 17 de Agosto de 2010 estará marcado no calendário de todos aqueles que viram o Capim Dourado nascer, o novo shopping da capital, Palmas - TO (sim, nós ainda temos o Palmas Shopping). Foram gastos R$ 200 milhões de reais para erguer o novo tesouro do Tocantins. Durante a construção foram contratados mais de 500 trabalhadores, e em seu funcionamento, serão geradas cerca de 1,5 mil empregos diretos e 3 mil indiretos. É a economia do estado criando asas e deixando de ser apenas funcionário público.

Para a grande maioria dos tocantinenses o novo shopping significa um marco que veio fomentar ainda mais a economia do estado, estabelecendo um novo padrão de exigência que irá desenvolver outras áreas, como atendimento ao público e a prestação de serviços também. Sem falar da geração de empregos, renda e qualificação profissional. Esses benefícios farão com que ocorra o aumento de consumidores, e conseqüentemente de recursos na economia da cidade. Com mais dinheiro circulando, o mercado se fortalece e atrai novos investidores que ajudarão ainda mais aquecer a economia local.

Lembrando a você que esse aquecimento de mercado começou com a instalação das redes Atacadão, Makro e Extra, três grandes marcas que assim como a Skipton S/A grupo empreendedor do Capim Dourado Shopping acreditaram no potencial econômico do Tocantins. Prova disso é que 90% das lojas que foram ou ainda serão inauguradas no novo shopping estão em sua primeira atuação no estado. Mas já estão em funcionamento às principais redes de varejo do país, como Riachuelo, Renner, Marisa e outros. O esperado é que até em setembro, o restante das lojas estejam todos operando normalmente.

Como tocantinense fico contente em ver o salto que nossa capital deu com a construção de um novo espaço de convivência. Com o Capim Dourado teremos dois shopping centers na cidade e isso fará com que os empresários invista pesado em seus negócios por causa da concorrência. Com isso é perceptível o aquecimento da economia que deixa de ser funcionário público e passa a pertencer também à iniciativa privada. O que permitirá uma melhor qualidade de vida para a nossa população.

Parabéns Tocantins!!!

domingo, 15 de agosto de 2010

Além da liberdade das ondas


Rádio web desperta interesse como produção independente

Vinicius Paulino

A internet possibilitou uma maior interação entre as pessoas e o que diz respeito à disseminação de conteúdo também. Esses elementos apontam o aumento da produção independente e da consolidação de uma indústria cultural mais autônoma. Segundo Paulo Henrique ator e produtor cultural em Pernambuco, a internet é uma grande ferramenta, uma vez que permite expor suas idéias sem custo, porém existem inúmeros conteúdos similares e um público muito exigente atrás da tela, afirma ele.

A Produção independente na internet cresceu e hoje é fenômeno devido à facilidade de expor conteúdo, basta um clique. Por ser considerada uma grande arma de comunicação democrática, ela abriu portas que antes eram privilégios de alguns. Só poderia ter uma rádio por exemplo, quem tivesse uma concessão pública, um processo democrático e que demanda dinheiro.

O computador ligado à internet e um HD lotado de músicas, foram o suficiente para que Fábio Júnior Xavier, estudante de jornalismo colocasse uma rádio web no ar. “Tudo começou com o Flogão, uma espécie de blog com fotos, lá eu postava fotos e músicas de banda, principalmente de forró. Recebia muitos acessos e comentários no site sobre músicas e bandas. Então resolvi ir além, montei a minha rádio web no cômodo de casa” conta ele.

Segundo Fábio Júnior, sua rádio web já chegou a receber 28 mil acessos e possui um público que abrange metade do país. Ultimamente está em caráter experimental, pois pretende registrá-la em cartório como rádio web profissional de Tocantins.

A publicitária paraense Daísa Passos, também abriga uma rádio web em seu quarto em Belém do Pará. Ela conta que a idéia surgiu na rede social "twitter", onde ela e uma amiga tinham um perfil que comentava sobre músicas e afins. “Resolvemos montar uma rádio para tocar as músicas que eram comentadas no twitter. Havia muitas musicas antigas e que as pessoas não recordavam, sempre falavam “essa música foi quando comecei a namorar” e foi nessa onda que colocamos a rádio web no ar".

A rede por ser livre facilita o acesso daqueles que lutam por espaço. Os blogs e os sites de relacionamentos ajudam a divulgar idéias e promover aquilo que chamamos de interatividade, mas só isso não basta. Para João Márcio Dias, músico e editor da revista virtual Pheha de São Paulo, a integração de blogs/sites e rede de relacionamento funciona apenas como um contrato entre aquele que produz e o seu publico alvo, o sucesso mesmo vai depender do conteúdo. “Hoje a maneira mais prática de divulgação de uma produção é o twitter, mas você tem que torná-lo atraente, afinal, é uma ferramenta de feedback onde o público busca você”, explica ele.

Nesse universo de cibercultura podemos ser o que quiser, falar o que quiser. A internet é uma mídia de infinitas possibilidades e abre caminhos para que todos entrem em contato com todos, sem distinção de cor, sexo e religião. A liberdade na rede é tão realidade que para ter uma rádio não é preciso de autorização e a abrangência é maior, para acessar basta estar conectado. Mesmo assim a grande jogada é como divulgar, como fazer ser visto. Você pode ser reconhecido por talento ou por ser ridículo. A internet te dá essa escolha, ainda há quem lute contra esse “avanço”, mas é inegável que o mundo hoje seria inviável sem esse advento.