sexta-feira, 10 de setembro de 2010

SALVE A FLOR DO PEQUI


As queimadas no Tocantins já viraram pauta na mídia, mas o que ninguém comenta é que esse problema ambiental que assola grande parte da cobertura vegetal do estado pode até provocar o “desaparecimento” de uma árvore nativa do cerrado brasileiro, o pequizeiro.

O Tocantins por está localizado em uma área propicia a queimadas e possuir o clima seco, assiste de perto o fogo destruindo parte de sua vegetação. O cerrado por si só já está próximo a incidência de queimadas. Porém esse fenômeno que ocorre todo ano avançou quatro vezes mais do que o ano passado, o que fez provocar uma devastação não somente nas florestas, pois as chamas já chegaram atingir o Parque Nacional do Lajeado, próximo a capital, Palmas. Isso provocou uma neblina de fumaça que prejudicou a visão de toda cidade. É inevitável ver o sinal dessa devastação pelas estradas, e ainda há novas labaredas surgindo por aí. O IBAMA já convocou brigadas para apagar o fogo, mesmo assim uma parte da vegetação foram atingidas pelo fogo e entre elas o pequizeiro.

Os moradores, sertanejos, e pessoas que moram próximas a Porto Nacional – TO reclamam que o fogo já atingiu grande parte de pequizeiros, principalmente as de beira de estrada. As que restaram talvez estejam em propriedades privadas.

Dona Raimunda Silva está preocupada com a situação, ela conta que todo o ano espera ansiosa pela chuva de Setembro que não ocorreu e a época do pequi, onde colhe com os filhos e netos para preparar uma deliciosa Maria Izabel, um prato típico da culinária tocantinense.

O que Dona Raimunda talvez não saiba é que os pequizeiros vão fazer falta também para várias espécies de animais, entre elas, veado, paca e tatu que procuram a árvore do fruto para alimentar-se das flores que caem.

E o preço será que vão aumentar? Já que o fogo ta destruindo várias árvores. Será que sacos e mais sacos cheios de pequi vão ser vendidos nas margens das rodovias esse ano? É o inicio do fim? O cerrado pede socorro?!

O desequilíbrio ambiental é evidente, só observando o clima quente e seco, as fumaças nas estradas. Cadê a chuva? O Tocantins está pegando mais fogo do que nunca. Se isso é culpa do aquecimento global é hora de refletir. A natureza pede socorro, o cerrado pede socorro. O fogo que já foi usado no passado para a sobrevivência do homem, hoje destrói seu habitat natural. O pequi não pode acabar!


sábado, 4 de setembro de 2010

VALORES ANALCRONICO

imagem: google

Vivemos em um mundo tão pluralista que as pessoas não imaginam a soma de um mesmo gênero e sim de uma única espécie, fomos condicionados a pensar assim por temer o desaparecimento dela já que os nossos instintos sempre denunciaram violência. Exemplos disso foi o aparecimento de civilizações, o desenvolvimento de cidades até chegarmos à sociedade atual. A força sempre foi instrumento de dominação do homem, infere-se física e ideológica, já que as leis e religiões foram criadas para oprimir os desejos humanos.

A liberdade sempre colocada como libertinagem por conta dos valores da sociedade que tem interesse de confundir os dois termos pela necessidade do homem em querer dominar e ser dominado. Talvez por isso a liberdade sempre fosse colocada como um ideal e não valor. As religiões foram criadas com o propósito de reforçar as regras de conduta para as pessoas não se autodestruir. Mesmo assim, não é preciso citar exemplos de crueldade humana é só olhar ao seu redor.

Mas a questão é, foi necessário ou não a dominação? Até que ponto a liberdade é tida como libertinagem? O que é certo e errado? Será que os conceitos de hoje foram impostos para evitar nossa destruição ou para nos tirar a liberdade? Somos líderes ou liderados? Com essas indagações eu coloco você meu querido amigo leitor para pensar um pouco sobre essa moral que a sociedade tanto prega e de uma forma ou outra não acaba seguindo, somos hipócritas por quê? Instinto?

Talvez se fôssemos pensar desde o surgimento do homem, os valores seriam visto como uma necessidade de organização ou não. Mesmo entendendo essa lógica e se tratando de seres humanos, vejo tudo isso como uma imposição do que uma lei de conduta. Porque quem estabelece as regras são os próprios seres humanos, inferem-se aqui com instintos cruéis. Ou seja, os “dominadores” se vestem do “moralismo” que eles mesmos criaram para oprimir os outros da espécie. Sempre foi assim!

Alguém pode questionar que Deus escreveu na bíblia. Mas quem prova isso? Está lá que Deus falou com os homens através de sonhos e eles escreveram em seu nome. Não quero fazer juízo de valores nenhum, mas eu acredito que Deus possa até ter falado para o homem pregar o amor e não a violência, buscar a liberdade e não a libertinagem. Mas excluir pessoas, fazer guerra? Tenho certeza que essa idéia divina foi de algum ser humano prepotente, dominador, opressor, falso moralista que se achou o próprio Deus de si.

Uma mesma espécie se auto-excluir por conta de um valor que formataram no passado e até hoje é passado como verdade absoluta. O ser humano é tão dominador que ele utiliza do discurso divino para ter voz, isso pode isso não pode, sendo que tudo foi fruto de uma imaginação que quer escravizar.